1. Empresas e Sociedade

Qual a relação entre as empresas privadas e a inovação social?
Para onde podemos ir?

Vivemos em um mundo cada vez mais complexo e interligado, mas onde nem sempre as organizações são capazes de ver oportunidades de parcerias que levem ao benefício da comunidade mais ampla.

Para as empresas, tradicionalmente, não existe objetivo mais importante do que o lucro de proprietários ou acionistas, além da sobrevivência da própria empresa, em um ambiente cada vez mais competitivo. Entretanto, nas últimas décadas iniciou-se uma mudança de mentalidade. Empresas começam a atuar também visando o bem comum e agir de forma colaborativa com um ecossistema mais amplo. Nos seus primeiros passos, essa mudança visava o benefício restrito a clientes e funcionários, Num segundo movimento, se complementava reforçando sua identidade através da participação em eventos culturais, como por exemplo, o patrocínio de um concerto de música, ou o apoio a uma peça de teatro.

Responsabilidade Social das Empresas: Um primeiro passo

Mais recentemente, uma empresa pode apresentar uma imagem mais positiva para o seu público e isso de duas maneiras, ou criando ações de natureza social dentro de sua própria organização, como por exemplo, desenvolvendo uma política de aproveitamento de resíduos, que reduz custos e ao mesmo tempo diminui seu impacto sobre o meio-ambiente, ou mesmo participando em ações sociais mais amplas, como uma campanha de vacinação aplicada a toda a população.

Normalmente são agências de publicidade que propõe às empresas essas iniciativas socioculturais, como parte de um plano de marketing mais amplo. Tem como objetivo  alcançar um público maior que seus próprios clientes e com isso transmitir à sociedade uma boa imagem. As empresas, sejam bancos, lojas, fábricas de automóveis, operadoras de celular, etc., são apresentadas por campanhas publicitárias nos meios de comunicação como agentes sociais conscientes, preocupados, não só com o atendimento aos seus clientes, mas também com o futuro do meio-ambiente, ou com a educação pública, os animais abandonados, ou qualquer outra causa que seja identificada como uma preocupação para o grande público.

Se essa estratégia pode até funcionar para um público pouco crítico, ou seja, a massa que é atingida pelos grandes meios de comunicação, em nossa opinião essa estratégia não se sustenta no longo prazo. Segundo nossa visão, em lugar de criar uma boa imagem pública, devido a uma verdadeira e sincera preocupação com a comunidade, gastam-se altas quantias em campanhas caras e sofisticadas criadas por agências de publicidade, com todos os recursos do audiovisual, mas que podem gerar suspeitas sobre os verdadeiros interesses das empresas ao se apresentarem dessa forma positiva, mas maquiada.

Propaganda: Imagem e Realidade

Ações dessa natureza, embora de caráter social e trazendo benefícios à comunidade mais ampla, parecem apenas constituir uma aparência, uma imagem, que a empresa quer transmitir publicamente. É necessário dar mais passos nesse processo progressivo de envolver empresas e a comunidade onde ela se desenvolve. A responsabilidade social de uma empresa deve também se revelar em ações sociais inovadoras, que busquem a transformação das relações entre os membros da comunidade e a transformação da própria empresa.

Ações sociais tradicionais das empresas, como benefícios a funcionários e/ou clientes tem nosso apoio. Da mesma forma, ações de responsabilidade social que visem grupos específicos ou mesmo a comunidade mais ampla, como patrocínios a campanhas sociais ou eventos culturais e/ou artísticos devem também ser apoiados. Publicidade que informe as qualidades dos produtos ou serviços oferecidos, assim como divulguem as reais ações sociais das empresas são necessárias. No entanto, não apoiamos as campanhas cujo principal objetivo é  criar uma falsa imagem para o grande público, uma nova “identidade”, que não corresponde aos fatos e isso não se sustenta no longo prazo.

Devemos ir além no processo de alinhar as empresas às verdadeiras necessidades das comunidades, criando projetos e eventos de caráter social, onde a empresa esteja “geneticamente” implicada. UrbsNova está preparada para dar a seus clientes as soluções para engajar empresas, associações ou fundações em ações que vão além da responsabilidade social tradicional. Esta é a importância da aplicação do conceito de Inovação Social para as empresas, bem como para outras organizações, como podemos ver no texto seguinte: 2. Inovação Social

20150614_110331

BiciEscola, um projeto que ensina adultos e crianças a pedalar, todos os domingos no Parque Marinha, tem patrocínio no Banco Itaú, que também patrocina o BikePoa, sistema de aluguel de bicicletas.

UrbsNova | Agência de Design Social
Visite e curta nossa page no facebook

Anúncios