Exposição “Um Monumento de 100 Anos: Fotografias antigas do Monumento a Júlio de Castilhos”

Exposição Um Monumento de 100 Anos
Fotografias antigas do Monumento a Júlio de Castilhos

Dia 25 de janeiro, 16:20  Abertura da exposição fotográfica “Um Monumento de 100 Anos: Fotografias antigas do Monumento a Júlio de Castilhos” (a confirmar).
Local: Sala JB Scalco, Solar dos Câmara.

Até 8 de fevereiro de 2013.

A antiga praça da Matriz, em 1888, durante a monarquia, chamada de Praça Dom Pedro II, muitos anos antes do monumento a Júlio de Castilhos. Em frente os prédios gêmeos do Theatro São Pedro e do Tribunal de Justiça, incendiado em ….
À esquerda a primeira estátua em homenagem a uma figura pública, o Conde D´Eu, esposo da Princesa Isabel, que lutou na Guerra do Paraguai.
Foto: Irmãos Ferrari

1-Irmãos Ferrari, 1888 MPOA

Chafariz de mármore de Carrara, que até 1910 ocupou o o mesmo lugar na Praça da Matriz, onde se encontra hoje o Monumento a Júlio de Castilhos.

4-Antigo chafariz, 1910 MPOA

Antigo chafariz em mármore que existia até 1910 no local onde foi erguido o Monumento a Júlio de Castilhos.
Foto: autor desconhecido | Acervo do Museu Joaquim José Felizardo / Fototeca Sioma Breitman

 

Júlio de Castilhos morre em 1903 e uma grande multidão acompanhou o cortejo fúnebre. Na foto, passagem pela Praça da Alfândega.

2- 1903, enterro de Julio de Castilhos, Praça da Alfândega MPOA

Em 1903, Borges de Medeiros convida o pintor e escultor Décio Villares, que faz a maquete do monumento. Essa maquete foi exposta na vitrine de várias lojas na R. dos Andradas em 1904.

3-MONUMENTO a JÚLIO DE CASTILHOS MAQUETE 1903

5-Virgilio Calegari, a partir de 1910 MPOA

Iníco da construção do monumento, a partir de 1910, com Theatro São Pedro ao fundo Foi criado um “andaime especial movediço”, para girar e colocar os blocos em volta
Foto: Virgilio Calegari | Acervo do Museu Joaquim José Felizardo / Fototeca Sioma BreitmanSioma Breitman

Início da construção do monumento, em 1910. Foi criado foi criado um “andaime especial movediço” para girar e colocar os blocos em volta. Foi utilizado granito apicoado (feito com batidas de ponteiros, que deixam o granito com furinhos, portanto, antiderrapante.) das pedreiras de Teresópolis, trabalho da empresa Aloys FriedrichAo fundo, o Theatro São Pedro.

O monumento em fase final de acabamento, com a colocação dos cães de bronze, um pouco antes da inauguração em 25 de janeiro de 2013.

6-Acabamentos do Monumento a Júlio de Castilhos, 1913

Acabamento final do monumento, com a colocação dos cães, provavelmente final de 1912.
Foto: Virgilio Calegari | Acervo do Museu Joaquim José Felizardo / Fototeca Sioma Breitman


Foto do monumento em 1914

7-Monumento a Júlio de Castilhos - 1915

Visão alto do monumento com os dois prédios gêmeos e o Guaíba ao fundo.

8-Virgilio Calegari, anos 10-20 MPOA

Vista do conjunto da praça nos anos 20-30, com o prédio gêmeo do Theatro São Pedro, onde funcionava o Tribunal de Justiça, que foi incendiado em 1949..
Foto: Virgilio Calegari | Acervo do Museu Joaquim José Felizardo / Fototeca Sioma Breitman

 

Visão geral do mounumento e do entorno da praça nos anos 20 ou 30, já com a demolição da antiga Igreja da Matriz.

9-Col. Dr. João Pinto Ribeiro Netto, anos 20-30, autor desconhecido MPOA

Vista geral da praça nos anos 30, já sem a antiga Igreja da Matriz que foi demolida em 1929.
Foto: autor desconhecido | Acervo do Museu Joaquim José Felizardo / Fototeca Sioma Breitman

 

Visão geral do mounumento  nos anos 20 ou 30. O piso original foi mudado recentemente para basalto. No cone na base do monumento havia uma área gramada, representado o verde da bandeira.

10-Col. Dr. João Pinto Ribeiro Netto, anos 20-30, autor desconhecido MPOA

Monumento nos anos 30, havia grama na base do monumento e o piso era de ladrilho hidráulico branco e rosa.
Foto: autor desconhecido | Acervo do Museu Joaquim José Felizardo / Fototeca Sioma Breitman

 

Visão da parte posterior do monumento em frente ao Teatro São Pedro

11-

Vista do Gaúcho a cavalo, ao fundo o Theatro São Pedro e o Tribunal de Justiça, que foi incendiado em 1949.
Foto: autor desconhecido | Acervo Museu da Comunicação Hipólito José da Costa

MJC

O monumento nos anos 40-50
Foto: autor desconhecido | Acervo Museu Julio de Castilhos

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s