Arquivo da categoria: Inovação

Reus e o Vermut (1)

Faz alguns meses, Jorge Piqué, fundador de UrbsNova, visitou Reus, cidade na Catalunha. Foram duas vezes, em março e abril de 2017, e tivemos a oportunidade de conhecer esta cidade tranquila e acolhedora e sua relação com a história do vermute espanhol.

Neste primeiro post daremos algumas informações básicas sobre a cidade e no segundo falaremos sobre o vermut espanhol e sua importância para Reus, com uma visita às instalações do Vermut Miró.

UrbsNova foi recebida na Prefeitura de Reus (http://www.reus.cat) por Marta Villata Boix, gerente de Reus Promoció (http://www.reuspromocio.cat), a agencia responsável pela promoção da atividade turística e comercial na cidade, que nos deu uma série de informações sobre a cidade e manifestamos nosso desejo de colaborar com uma maior divulgação de Reus no Brasil, tanto para o turismo, como para negócios.

2017 é um ano especial para Reus, pois assume como Capital da Cultura Catalã, e durante todo o ano acontecem muitas atividades, além dos tradicionais festivais de referência que a cidade sempre promove (cinema, curtas, circo, blues & jazz).

Reus é uma cidade a  apenas10 km de Tarragona, uma antiga e importante cidade, fundada pelos romanos, no Mediterrâneo.

Anfiteatro de Tarragona (séc. II d.C.)

Reus fica a aproximadamente 100 km de Barcelona. Há uma ótima rodovia. Em aproximadamente 1:30 de trem chegamos a Reus, saindo da Estação Sants, em Barcelona. Há trens a cada 90 minutos saindo de Barcelona.

Durante a viagem de trem, de Barcelona para Reus, íamos lendo esse excelente livro sobre o vermut, que conta especialmente a pouco conhecida história do vermut espanhol.

Reus possui um pouco mais de 100 mil habitantes. Em seu centro encontramos muitos prédios históricos, que vem da época áurea da cidade, no séc. XIX. Mas também há prédios contemporâneos em bairros mais recentes.
Sua origem é medieval, com primeira referência em  1154.

No séc. XVIII passa a ser a segunda maior cidade da Catalunha, apenas superada pela capital, Barcelona. Tinha uma destacada produção de aguardentes e tecidos. Nessa época, as aguardentes europeias eram cotizadas nos mercados de “Reus, París e Londres”. Esta tradição com o álcool será importante na presença do vermut na região, pois se trata de um vinho fortificado.

No séc. XIX a cidade se industrializa e depois de Barcelona é a cidade de referência de todos os movimentos culturais, o que explica a qualidade arquitetônica que observamos hoje em dia. Vários arquitetos modernistas famosos tem projetos em Reus.

La Casa Grau-Pla (1910).

Segundo uma tradição, o mais universal arquiteto espanhol. Antoni Gaudí (1852 — 1926), teria nascido em Reus. Existe uma Ruta Gaudí na cidade e esta seria a casa em que viveu. Há também uma Ruta Modernista, pelos principais prédios históricos.


Antoni Gaudí – infant. Obra de Artur Aldomá Puig

Plaza del Pintor Fortuny, início da área comercial.

Encontramos ainda em Reus antigas fábricas do séc. XIX, com suas chaminés.

Larga avenida moderna em Reus, em formato de rambla, com a parte central para pedestres e bicicletas.

Iglesia de San Joan Baptista.

No centro de Reus encontramos inúmeras ruas estreitas, com forte tecido comercial nos térreos dos prédios.  Reus é conhecida como a Cidade das Compras.

Uma cidade de contrastes entre o antigo e o contemporâneo.

Uma das praças principais no Centro, Praça General Joan Prim, com a estátua do general.
Ao redor, bons cafés e restaurantes. Ao fundo o Teatro Fortuny.

Centenas de pequenas lojas e restaurantes nas ruas centrais de Reus, com as calçadas niveladas.

Qualidade artística das calçadas.

Praça principal de Reus, a Plaça del Mercadal, onde se encontra a Prefeitura (Ajuntament).

Edifícios históricos na praça central de Reus. Casa Navàs, do importante arquiteto modernista Domènech i Montaner.

Bares, restaurante e cafeterias na praça central.

Nesta praça se encontra o Gaudí Centre,  o único centro de interpretação sobre a vida e a obra de Gaudí.

Foto Time Out Barcelona


Foto Gaudí Centre Reus,

Qualidade arquitetônica dos edifícios no centro, todos muito bem cuidados.

Bela escultura pública atrás da Església Prioral de Sant Pere de Reus.
Al Vent. Obra de Josep Salvadó Jassans.

No entorno da igreja encontramos restaurantes e bares.

Na cidade, existem muitos bares e vermuterias, que oferecem como aperitivo vermut, batatas chips e azeitonas, No bar Rosa dels Vents, por apenas 3 euros.

  

Grandes prédios em estilo historicista mostram o que foi o passado de Reus. 

Depois de passar todo o dia em Reus, o retorno a Barcelona de trem. 

Vídeos sobre Reus

Mais informação sobre Reus: Reus na Wikipedia em português

Em breve, publicaremos o segundo post sobre Reus, onde conheceremos a história do vermut espanhol, visitando o Museu do Vermut e o Vermut Miró,

Reus e o Vermut (2) (em breve)

Anúncios

Fotos SESC Turismo no Distrito C (04 de agosto de 2015)

topoteste1Parceria entre SESC Turismo e UrbsNova promove a visita de comerciários do interior do Estado para conhecer o Distrito Criativo de Porto Alegre. Conhece a iniciativa.

Apresentamos abaixo as fotos da terceira visita do SESC ao Distrito C, que aconteceu no dia 08 de outubro de 2015, com comerciários de Livramento.

Saída do SESC Campestre

20150804_130933

Igreja São Pedro, de j. Hruby

20150804_141717 20150804_141815 20150804_142238 20150804_142715 20150804_142754 20150804_142825

Studio Insonia, recebidos pelo artista Victor Hugo Nievas

20150804_143616 20150804_143838 20150804_143924

Mural de Victor Hugo Nievas, na rua Visconde de Rio Branco.

20150804_144525

Galeria Bolsa de Arte

20150804_145037 20150804_145155 20150804_145221 20150804_145439 20150804_145500 20150804_145730 20150804_145850 20150804_145915 20150804_145924 20150804_145928

Antiquário La Casa de Bernarda Alba
recebidos por Carmen Isabel Andreola e Cristovão Araújo Teixeira

20150804_15183620150804_150755 20150804_150803 20150804_151210 20150804_151351 20150804_151401 20150804_151406

Padaria e Confeitaria Dalmás

20150804_152924 20150804_153250 20150804_154926

Casa 533
recebidos por Mônica Fachin.

20150804_160706 20150804_160801 20150804_160907 20150804_160943 20150804_161022 20150804_161039 20150804_161059 20150804_161120 20150804_161126 20150804_161239 20150804_161346

Naida Gomes Artes e Antiguidades
recebidos por Naida Gomes.

20150804_162020 20150804_162510 20150804_162701

Garimpo Móveis & objetos de arte
recebidos por Elizabeth Schmidt.

20150804_163134

Caminhando pela rua Emancipação,  em direção ao Vila Flores (antigo Moinho Germani, ao fundo)

20150804_164059

Vila Flores
Recebidos por João Wallig

20150804_165112 20150804_170821 20150804_170846 20150804_170910 20150804_170925 20150804_170949

Estúdio Hybrido
Recebidos por Marcelo Monteiro e Vanessa Berg

20150804_165707 20150804_165715 20150804_165722 20150804_165828 20150804_170245

Brechó Vuelta al Mundo
recebidos por Luana de Brito.

20150804_171703 20150804_171752 20150804_172048

Ato Espelhado Companhia Teatral
recebidos por  Pati Ragazzon.
(para entrar no espaço era necessário tirar os sapatos)

20150804_175552

Caixa do Elefante
recebidos por Mario de Ballentti

20150804_172856 20150804_172903 20150804_173014 20150804_173121 20150804_173239 20150804_173616 20150804_173626 20150804_173635 20150804_173650 20150804_173725 20150804_173745 20150804_173958 20150804_174017 20150804_174054 20150804_174125 20150804_174149 20150804_174506
20150804_17251920150804_174628

Viagem da UrbsNova à Barcelona (I)

Desde 11 de setembro de 2015, UrbsNova está passando uma temporada em Barcelona.
Barcelona é a cidade preferencial de atuação de nossa empresa, juntamente com Porto Alegre, ampliando para as respectivas regiões, Rio Grande do Sul e Catalunha.

Aqui uma informação mais detalhada sobre o que Barcelona significa para UrbsNova e Porto Alegre:
https://urbsnova.wordpress.com/barcelona

Desde que chegamos visitamos vários locais, fizemos contatos, começamos a estabelecer parcerias. Mais a frente, iremos dando detalhes, abaixo alguns desses momentos em Barcelona.
Fotos Jorge Piqué

Poblenou, antigo bairro industrial de Barcelona

Esse bairro é importante para o nosso projeto Distrito Criativo de Porto Alegre.
Existe uma grande variedade de ambientes, como os grandes edifícios icônicos da ampla Av. Diagonal, as empresas do 22@, os bares na movimentada Rambla del  Poblenou, as casas antigas nas ruas pequenas e quase sempre vazias, às vezes bem cuidadas, às vezes em ruínas, as antigas fábricas, as novas Fábricas de Criação, o Parque do Poblenou, junto ao mar, a praia, o novo parque no Centro do Poblenou, a Av. Pere IV, que foi um eixo importante, mas hoje tem pouco movimento. Aos poucos detalharemos cada um desses locais com mais fotos, aqui esse , um verdadeiro mosaico urbano.

Para saber mais sobre o Poble Nou e sua relação com Porto Alegre, leia nosso dossiê Distritos de Innovación y Creación: Barcelona y Porto Alegre.

20150912_114345 (2) 20150914_115315 (2) 20150914_120205 (2) 20150915_143633 (2) 20150916_114243 (2) 20150916_152946 (2)

arterua bar can casantiga1 encants parque pereiv praia rua ruina upf2

?????????????

 

Fotos SESC Turismo no Distrito C (27 de julho de 2015)

topoteste1Parceria entre SESC Turismo e UrbsNova promove a visita de comerciários do interior do Estado para conhecer o Distrito Criativo de Porto Alegre. Conhece a iniciativa.

Apresentamos abaixo as fotos da segunda visita do SESC ao Distrito C, que aconteceu no dia 27 de julho de 2015

Saída do SESC Campestre

Foto 28-07-15 13 37 00Foto 28-07-15 13 36 32

Studio Q
recebidos por Tassi Bergamo Krampe

Foto 28-07-15 14 26 12 Foto 28-07-15 14 31 14 Foto 28-07-15 14 32 10 Foto 28-07-15 14 32 59 Foto 28-07-15 14 33 07 Foto 28-07-15 14 33 51 Foto 28-07-15 14 35 36 Foto 28-07-15 14 35 57 Foto 28-07-15 14 36 09 Foto 28-07-15 14 38 59

Ofício Criativo (Farmácia Belladona)
recebidos por Margret Spohr e Fátima Marimon

Foto 28-07-15 14 49 02 Foto 28-07-15 14 49 24 Foto 28-07-15 14 51 34 Foto 28-07-15 14 51 56 Foto 28-07-15 14 54 14 Foto 28-07-15 14 55 11 Foto 28-07-15 14 55 51 Foto 28-07-15 14 56 44 Foto 28-07-15 14 56 54 Foto 28-07-15 15 00 41

Igreja São Pedro, de j. Hruby

Foto 28-07-15 15 16 27

Foto 28-07-15 15 14 18

Caminhando pela r. Visconde de Rio Branco, para a Galeria Bolsa de Arte.
Grafitti de Victor Nievas, do Studio Insonia, participante do Distrito C

Foto 28-07-15 15 22 41

Galeria Bolsa de Arte
recebidos por Bernardo Kroeff

Foto 28-07-15 15 26 18 Foto 28-07-15 15 26 42      Foto 28-07-15 15 27 39 Foto 28-07-15 15 27 44 Foto 28-07-15 15 27 51      Foto 28-07-15 15 27 58 Foto 28-07-15 15 28 06 Foto 28-07-15 15 28 26     Foto 28-07-15 15 29 19 Foto 28-07-15 15 29 32 Foto 28-07-15 15 29 39 Foto 28-07-15 15 29 53 Foto 28-07-15 15 34 11     Foto 28-07-15 15 34 20 Foto 28-07-15 15 34 43 Foto 28-07-15 15 37 03   Foto 28-07-15 15 37 07 Foto 28-07-15 15 37 30 Foto 28-07-15 15 37 42 Foto 28-07-15 15 38 17 Foto 28-07-15 15 38 31     Foto 28-07-15 15 38 38 Foto 28-07-15 15 38 42 Foto 28-07-15 15 40 12 Foto 28-07-15 15 40 17 Foto 28-07-15 15 40 22

Antiquário La Casa de Bernarda Alba
recebidos por Carmen Isabel Andreola

Foto 28-07-15 15 53 24Foto 28-07-15 15 45 19 Foto 28-07-15 15 45 30 Foto 28-07-15 15 49 23 Foto 28-07-15 15 49 33 Foto 28-07-15 15 49 58 Foto 28-07-15 15 50 16 Foto 28-07-15 15 50 53 Foto 28-07-15 15 51 02 Foto 28-07-15 15 51 17 Foto 28-07-15 15 51 40

Caminhando pela rua Conde de Porto Alegre, fundos da empresa Gerdau, projeto do arquiteto Tiago Bernardes, em direção à Padaria Dalmás.

Foto 28-07-15 16 00 58

Padaria e Confeitaria Dalmás
recebidos por Gisele Dalmás.

Foto 28-07-15 16 03 08Foto 28-07-15 16 04 29Foto 28-07-15 16 03 28Foto 28-07-15 16 04 20

Vila Flores

Brechó Vuelta al Mundo
recebidos por Luana de Brito.

Foto 28-07-15 16 58 33 Foto 28-07-15 16 59 42 Foto 28-07-15 17 00 09 Foto 28-07-15 17 01 11 Foto 28-07-15 17 02 14 Foto 28-07-15 17 02 17

Ato Espelhado Companhia Teatral
recebidos por  Pati Ragazzon.
(para entrar no espaço era necessário tirar os sapatos)

Foto 28-07-15 16 51 32 Foto 28-07-15 16 51 48

Foto 28-07-15 16 52 34

Estúdio Hybrido
Recebidos por Marcelo Monteiro

Foto 28-07-15 16 42 52 Foto 28-07-15 16 42 54 Foto 28-07-15 16 43 02 Foto 28-07-15 16 43 19

Precursores da Inovação Social (I): Quakers

Começa aqui uma série sobre precursores da inovação social. Usamos “inovação social” em um sentido muito mais amplo, o que inclui grandes reformadores sociais e mesmo revolucionários. A inovação disruptiva em tecnologia é um tema mais recente, embora a máquina a vapor e a eletricidade fossem em sua época exatamente isso. Mas nem toda inovação se restringe à esfera tecnológica, propostas concretas de mudanças sociais e, mais importante, experiências sociais reais, que implicam novas formas de convívio e de desenvolvimento econômico, são tentativas de transformar o mundo criando algo novo, que de alguma forma é uma ruptura com o passado e abre possibilidades futuras. Eram verdadeiros “designers sociais”, criando e desenhando novas organizações sociais, que teriam a função de resolver sérios problemas do seu próprio tempo.
Essa série recolhe algumas experiências passadas, precursoras de experiências contemporâneas.
UrbsNova trabalha exatamente no desenvolvimento de organizações através do design social inovador.
– Jorge Piqué, fundador de UrbsNova Porto Alegre – Barcelona | Agência de Design Social

Normalmente temos uma ideia muito simplificada, quando não preconceituosa, do Movimento Quaker (existe o termo português quacre, mas usarei sempre o termo original inglês). Eles erroneamente são confundidos com outras tradições dentro do movimento da Reforma, como anabatistas, menonitas, amishes  ou puritanos.

Anabatistas são a  “ala radical” da Reforma Protestante. Fundaram sua primeira igreja em 1525, foram perseguidos e massacrados por católicos e protestantes, como hereges. Praticavam apenas o batismo em idade adulta e postulavam a separação total entre Igreja e Estado Sobreviveram apenas os anabatistas pacifistas, como os Menonitas. De uma cisão dos menonitas surgiram os amishes, conhecidos por seus costumes conservadores, como o uso restrito de equipamentos eletrônicos, inclusive telefones e automóveis.

Amishes em Indiana, EUA.

Amishes em Indiana, EUA.

Os puritanos vem diretamente do Calvinismo, introduzido na Inglaterra no séc. XVIII. Negavam tanto a igreja católica como a anglicana e os anabatistas. Eram um grupo tipicamente conservador, queriam um reforma mais radical que os demais grupos. Perseguidos, emigraram a partir de 1630 para os Estados Unidos, conhecidos lá como “Peregrinos”.

Purititnasfirst-thanksgiving-2

Puritanos. The First Thanksgiviving at Plymouth (1914), de Jennie Augusta Brownscombe.

George_Fox

George Fox

Já os quakers vêm de uma tradição completamente diferente, nada conservadora, altamente flexível, assumindo por isso formas as mais diferentes. Como surgiram os quakers? Simplesmente um grupo dentro da Igreja Anglicana criado em 1652, pelo inglês George Fox, que pretendeu ser a restauração da fé cristã original. Se autodenominam Sociedade dos Amigos, sendo o termo quaker (“tremedor”, como em earthquaker, “terremoto”) um apelido depreciativo que seus opositores usaram, mas que hoje eles mesmos incorporaram, considerando como sinônimo de “amigo”.

Quando surgiram, seus princípios eram bem avançados para a época. Defendiam o pacifismo e a liberdade individual. Portanto, eram totalmente contra a escravidão e vários quakers foram importantes abolicionistas. Também não admitiam diferenças de gênero, as mulheres tem todos os direitos dos homens e muitas das primeiras feministas americanas foram quakers. Foram também os primeiros nos EUA a condenar o emprego da pena capital ou mesmo a punição por abuso físico. Não valorizam templos, não tem atividades missionárias, nem pagam dízimos. Não condenam os pecadores nem lhes ditam regras, apenas dão conselhos, quando solicitados. Os quakers atuais não se vestem mais com as suas roupas tradicionais. Desde os anos 70 algumas comunidades quaker aceitam o casamento de mesmo sexo.

Não admitiam nenhuma hierarquia clerical, o indivíduo teria seu encontro pessoal direto com a divindade. Mas admitiam reuniões informais, com o mínimo de organização e principalmente encontros completamente silenciosos, meditativos.

37f5d-quaker1_crop

Circulo de amigos, da comunidade quaker de Toronto, se reunindo em uma biblioteca, para contemplação.

Aspiram a uma vida de recolhimento, simplicidade e pureza ética. Defendem a liberdade política e religiosa de todos, tanto que se aproximam e dialogam com outras religiões, inclusive com o paganismo greco-romano. A atitude quaker é de que a divindade é uma possibilidade, por isso se aproximam muito de algumas crenças não-religiosas, como o budismo. Desde 1930 existem comunidades de quakers ateus (nontheists).

Mas, desde a origem, uma característica quaker, paralela a contemplação coletiva silenciosa, é um forte ativismo social, diferentemente do budismo, mais passivo. No caso deste post, o que nos interessa é que a  filosofia quaker tem um papel muito grande na inovação social, propondo novas formas de convívio, no séc. XVII e XVIII, que anteciparam em parte importantes movimentos reformistas e revolucionários do séc. XIX, que ainda marcam a nossa época.

J-Frame of Government of PaOs quakers foram também hostilizados na Inglaterra e por isso migraram para a América, onde, em 1681, sob a liderança de William Penn (o famoso quaker na Aveia Quaker), fundaram a colônia da Pennsylvania, que tomou o nome do próprio Penn, e a cidade de Philadelphia (“Amor Fraternal”). A nova colônia foi fundada sobre princípios democráticos, redatados no Frame of Government of Pennsylvania,  que, mais de 100 anos depois, influenciou a primeira constituição americana de 1787.

Segundo Karl Polaniy, os quakers foram “pioneiros na exploração das possibilidades da existência moderna”, foram os primeiros modernos reformadores de políticas sociais, ou seja, o que nós poderíamos chamar de inovadores sociais. O próprio Polaniy, quando emigrou de Viena para a Inglaterra, no início dos anos 30, esteve em estreito contato com grupos quakers. Foram os primeiros também a desenvolver ajudas sociais aos mais pobres, inicialmente entre eles, mas depois a qualquer pobre, mesmo não sendo um quaker, já que defendiam a igualdade social.  O quaker Lawson, em 1660, foi pioneiro em propor a criação de uma Labor Exchange, ou seja, o que modernamente seria uma agência pública de empregos, ajudando assim os pobres desempregados que queriam trabalhar. A proposta, no entanto, foi rejeitada pelo parlamento britânico e nunca implementada.

Um grande inovador social quaker, muito pouco conhecido, foi John Bellers (1654-1725), que viu com muita antecedência, ainda no séc. XVII, 100 anos, portanto, antes das revoluções americana e francesa, ideais sociais que só se desenvolveriam plenamente nos séculos XIX e XX, como cooperativismo, saúde pública, um Estado europeu unificado, pacifismo, sindicalismo, socialismo, comunismo e anarquismo.  Bellers  foi um grande humanitarista e pensador radical. Viveu em uma época muito conservadora e foi um dos primeiros a perceber a massiva desigualdade gerada por uma nascente industrialização. E por isso foi justamente reconhecido pelo pensamento socialista posterior. Robert Owen (1771 – 1858) , o criador do socialismo utópico, o considerava um precursor dos seus próprios experimentos cooperativos socialistas, como também, Charles Fourier (1772 – 1837), o filósofo socialista, outro precursor do cooperativismo. O próprio Karl Marx (1818 — 1883) o considerava a veritable phenomenon in the history of political economy (O Capital, p. 619).

Em 1696, Bellers foi além da ideia de uma agencia de empregos e propôs os “Colleges of Industry”, Colônias Cooperativas de Trabalho, onde os pobres trocariam diretamente entre si o trabalho, sem a interferência de uma moeda de troca e de intermediários. Lembremos que nesta época não havia, além da mera caridade, nenhuma forma de proteção social aos pobres vinda do Estado, nem sindicados, nem previdência social, ou saúde pública.

A ideia central de Bellers era de que o trabalho é o principal valor, conceito que está na base do pensamento marxista. Nos College of Industry, uma espécie de cooperativa auto-gerida, teríamos uma corporação de todos os tipos de profissões, que trabalhariam umas pelas outras, sem qualquer assistência pública. Nota-se que aqui não se trata de responsabilizar o Estado pela solução dos problemas sociais, como outras correntes defenderiam, mas de propor formas de organização independente do Estado para encontrar as soluções, ideias que muito mais tarde grupos anarquistas irão defender. Cada participante contribuiria segundo suas habilidades e receberia segundo suas necessidades. Era o principio da autossuficiência da classe trabalhadora, que o comunismo posterior tornaria a sua própria utopia.

Essa cooperativa teria no mínimo 300 pessoas, 200 delas profissionais, que viveriam coletivamente, junto com suas famílias. Haveria  regras e disciplina, mas não haveria punições físicas, como era comum na época. As atividades seriam de agricultura e manufatura. Não se tratava de uma corporação isolada da economia mais ampla. Produtos e serviços excedentes poderia ser vendidos para fora e o dinheiro seria usado em melhoramentos para todos. Era uma solução específica para os pobres, cuja grave situação não era atendida nem pela caridade dos ricos nem pelos impostos públicos, mas que devia ser apoiada pelos ricos, e ele tentava convencê-los que a melhoria das condições do pobres lhes seria indiretamente benéfica, uma ideia pouco comum na época, mas que acabou vingando em fases mais recentes do capitalismo.

Eram verdadeiras “corporações de pobres”. Para participar de forma política na criação das regras internas, era necessário que o indivíduo tivesse uma contribuição inicial em dinheiro, mas quem não dispusesse desse valor mínimo poderia participar trabalhando e usufruindo do beneficio de uma vida coletiva. Neste sentido, parecia-se a futura cooperativa, já que quem investia esperava ter lucros também. Mas uma cooperativa atual é diferente no sentido em que não há vida em comum e todos tem a mesma atividade, além disso, a relação econômica se dá exclusivamente com um mercado externo. Seria uma grande corporação operária que praticaria a vida em comum, cuidando da saúde e desenvolvendo o conhecimento e o trabalho como valores humanos coletivos.

O College providenciaria também educação para os filhos dos pobres. Essa educação consistia na aquisição de conhecimentos, mas em trabalho também. O trabalho era visto como um valor, uma criança desde cedo pode trabalhar e transformar esse trabalho em fonte de conhecimento e saúde. Exatamente o oposto do trabalho brutal que crianças entre 6 e 12 eram obrigadas a realizar no início da industrialização. Caso uma criança ficasse órfã, ela continuaria sendo educada e cuidada pelo coletivo, preservada da miséria, que era então o destino certo de uma criança sem o âmbito de proteção familiar.

A medida que as pessoas fossem envelhecendo, uma hora de trabalho seria retirada da jornada diária. Quando chegassem aos 60 anos, poderiam ser supervisores do trabalho dos demais, ou seja, aproximadamente, entre os 50 e 52 começaria a diminuição gradual da jornada de trabalho.

As posições radicais de Bellers se contrapunham ao movimento Quietista, mais contemplador que ativista, que predominou entre os quakers da Inglaterra nos dois séculos seguintes. Mas teve uma grande influência em autores socialistas, anarquistas e comunistas posteriores.

Influencias sobre o socialismo:
Roberto Owen em 1819 desenvolveu os Villages of Union
Charles Fourier: plano Phalansthère

Influencias sobre o anarquismo:
Proudhon propunha o Bank of Exchange, primeira exploração prática do anarquismo filosófico

Influencias sobre o marxismo:
Para Marx era o Estado que devia promover essa proteção dos pobres e desamparados, dentro de uma sociedade igualitária, governado pela ditadura do proletariado.

Governos da Europa Ocidental, após a II Grande Guerra Mundial, chegaram próximos da visão de Bellers, com o surgimento de Estados de Bem-Estar Social (“Welfare state“), a partir do modelo  desenvolvido na Suécia.

fotoartigo
Jorge Piqué

UrbsNova – Agência de Design Social