Arquivo mensal: janeiro 2015

Afinal, o que é o Distrito C?

Muitas pessoas perguntam o que é exatamente o Distrito C – Distrito Criativo de Porto Alegre. Nos meios de comunicação são dadas, às vezes, explicações que não correspondem à realidade.

Ele é um projeto de revitalização do 4º Distrito, que inclui vários bairros, como Floresta, São Geraldo, Navegantes, Humaitá, etc?
– Não.

Então ele é um um projeto de revitalização do bairro Floresta?
– Também não.

Tanto o 4º Distrito, como o Floresta, são referências históricas para o Distrito C, são objetos de conhecimento e aprofundamento, mas não de intervenção direta.

O Distrito C é um projeto “transbairro”. Bairros são territórios com passado, presente e futuro, história e memória. Seus moradores, às vezes, estabelecem importantes relações afetivas com seus bairros. Bairros são referenciais importantes.

Mas bairros inteiros são muito difíceis de trabalhar no nível que UrbsNova | Agência de Inovação Social se propõe a trabalhar. Prefeitura, órgãos públicos, associações, ongs, etc. podem trabalhar no nível territorial “bairro”, ou mesmo em regiões mais amplas, mas UrbsNova desenvolve uma estratégia diferente: a criação e desenvolvimento de territórios menores, que por um lado fazem parte da história desses bairros, mas que não se apegam a esse passado e projeta um futuro a partir de um início ativo que encontra no presente.
Mistura DNA antigo com DNA novo.

Temos, numa região de 80 ha, em grande parte dentro do bairro Floresta, mas não só, o esboço de um adensamento de negócios ligados a economia criativa, do conhecimento e da experiência.

Mapa geral

Distrito C é a reunião de todos esses negócios de qualidade, com 2 objetivos básicos:
1. fortalecimento econômico desses negócios,
2. melhoria urbana da área onde estes negócios se encontram.
Os dois objetivos são inseparáveis. Por isso o Distrito C não é uma associação comercial, nem é uma associação de moradores, que atuam de forma parcial.

Regeneração significa defesa e divulgação tanto do patrimônio histórico-cultural,  como do patrimônio ambiental e melhor qualidade dos espaços públicos.

É um novo método de desenvolvimento e transformação social e territorial, criado por UrbsNova, com a participação de, no momento, quase 70 negócios. São artistas, empreendedores e lugares com história.
Tem um fim social e se constrói socialmente, isso é inovação social.

Uma diferença importante: não é suficiente apenas estar dentro do território do Distrito C, para ser participante. Ser Distrito C significa conhecer o projeto, compartilhar dos seus objetivos e, pelo menos, estar disponível, na medida do possível, para participar no processo de regeneração urbana.

PessoasLugares

Fortalecendo o Distrito C, dando sustentabilidade ao projeto, num prazo de 5 anos, poderemos gerar impactos positivos indiretos no entorno, como o Bairro Floresta, e o Bairro Independência. Mas antes é preciso ter um Distrito C forte na cidade, consolidado, adensado, desenvolvido, atrativo, de qualidade, inovador. E tendo conseguido isso, poderemos começar a influenciar o desenvolvimento de todo o 4º Distrito.

Queremos deixar claro que nosso objetivo NÃO é tornar o 4º Distrito um território de Economia Criativa. Isso é o que queremos para Distrito C, onde ele estiver, agora e no futuro, porque existem já as condições para isso.

O 4º Distrito é uma região extensa demais, heterogênea demais, para ser atrelada a apenas uma atividade econômica principal. O que ele será no futuro dependerá em parte do sucesso do Distrito C, mas principalmente de um número muito maior de agentes sociais e econômicos.

Apesar de não trabalharmos diretamente na revitalização do Bairro Floresta e do 4º Distrito, ambos são nossas referências históricas, parte do nosso entorno. Mas apenas uma parte, porque o entorno do Distrito C inclui bairros como Moinhos de Ventos e Independência, e inclusive o Centro. Na verdade o Distrito C já está no Independência, e em breve estará também no São Geraldo.

O Distrito C, portanto, é um território criativo que, no presente, se está desenvolvendo nos limites dos bairros Floresta, Independência e São Geraldo, e de certa forma desfazendo esses limites administrativos.

Por essa localização, tem uma interface com o 4º Distrito, mas não se confunde com o ele.
Apesar da semelhança dos nomes, o Distrito Criativo não é o 4º Distrito.

Distrito C não tem a pretensão de ser “a” solução de UrbsNova para o 4º Distrito, mas certamente será um dos elementos importantes do sua transformação. UrbsNova tem também planos de desenvolvimento para outras regiões do 4º Distrito, por exemplo, o São Geraldo, num processo de diversificação territorial e integração de territórios, com funções complementares.

Mas a prioridade no momento é o Distrito C. Trata-se de uma construção coletiva, muito complexa, e que tem as suas etapas e momentos.

Foto Gerson Ibias.

Foto Gerson Ibias.

Distrito C  já é uma realidade. Não é grande demais, para se atuar, como todo um bairro, ou como todo um conjunto de bairros, o caso do 4º Distrito, pois, se fosse, teríamos dificuldades de trabalhar de forma igual toda a área alvo e toda ação acabaria se diluindo, sem gerar transformação.

Nem é pequeno demais, como uma quadra ou uma rua, onde ações são mais realizáveis, mas que tem pouco impacto em territórios mais amplos. Atuamos não em uma quadra ou uma rua, mas em muitas quadras e ruas, que constituem o território do Distrito C.
É cada participante que atua mais na sua quadra, na sua rua, e essa atuação é importante e incentivada. Mas é a soma de 70, 100, 200 atuações desse tipo que vai ter a força de transformar todo um território e fazer dele um dado novo no ecossistema da cidade.

Essa medida intermediária do projeto, em nossa opinião, é a solução para os dois grandes defeitos dos projetos de revitalização em Porto Alegre. Ou são projetos pontuais demais, que efetivamente revitalizam um determinado local, mas não tem força suficiente para ir além e gerar novas revitalizações. Ou se conseguem esse efeito, a velocidade de transformação é muito lenta, décadas, não anos.

Ou são projetos amplos demais, grandes master plans, que nunca conseguem sair do papel, pois exigem em geral um esforço coletivo grande demais para governo e sociedade civil. Infelizmente, criam enormes expectativas, mas que com o tempo levam à frustração da população. Nossa proposta é “nem pequeno demais, nem grande demais”.

Portanto, não falamos “em nome” do Bairro Floresta ou da região do 4º Distrito, mas acreditamos firmemente que quanto mais o Distrito C  se desenvolver, mais efeitos positivos serão sentidos, primeiramente, no bairro Floresta e mais tarde inclusive no 4º Distrito.

Todos os detalhes sobre as diferentes linhas de ação e ações concretas do Distrito C podem ser encontradas no seu blog: https://distritocriativo.wordpress.com/

Todos estão convidados a participar dessa transformação que é o desenvolvimento coletivo de um território criativo, o Distrito C – Distrito Criativo de Porto Alegre.

20141206_110012

Passeio das Artes, onde o público visita os participantes do Distrito C. O Passeio das Artes ganhou o Prêmio de Inovação em Turismo RS 2014 na categoria Turismo histórico-cultural.

Curta a página do Distrito C no Facebook

Participe do grupo Distrito C – Agenda Semanal, onde estão as atividades dos participantes do Distrito C. Eles precisam do seu apoio.