Josef Hrubý: um arquiteto checo em Porto Alegre

Poucas pessoas sabem, mas além dos famosos arquitetos alemães que vieram morar e trabalhar em Porto Alegre, nas primeiras décadas do século XX, como Theo Wiederspahn e Josep Lutzenberger, arquitetos de outras nacionalidades também contribuíram para a formação do nosso patrimônio histórico.

Entre  estes, um arquiteto checo, da Boêmia, Josef Hrubý (em português, grafado sem acento, Hruby), teve uma papel relevante para a imagem que temos da cidade ainda hoje. Muitas fábricas que hoje já não existem e importantes igrejas de Porto Alegre devem a este checo ser parte da nossa paisagem cotidiana e normalmente anônima. Somos o resultado de uma mistura de etnias e culturas e conhecer esses traços transforma nossa visão mais prosaica da cidade.

Os primeiros imigrantes checos a desembarcar no Brasil chegaram no ano de 1823. Dentre eles, Jan Nepomuk Kubíček, um dos bisavós maternos do ex-presidente Juscelino Kubitschek. Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul,  foi fundada em 1858 por alemães e também alguns vindo da Boêmia, então um estado do Império Austro-Húngaro, mas a partir de 1918, já pertencendo a Checoslováquia, atualmente, República Checa.

Hrubý nasceu em 1875 no distrito de Děčín [ˈɟɛtʃiːn], na Boêmia, próxima à fronteira com a Alemanha (ver localização). A cidade de Děčín é de origem eslava, mas sua história e cultura tiveram uma forte influência germânica a partir da Idade Média, um importante cruzamentos de rotas comercias (em  alemão o nome da cidade é Tetschen).

“Děčín está na rota de comércio entre a República Checa e a Alemanha. O transporte de cargas rodoviário, ferroviário e fluvial todo passa através da cidade, além de ser a confluência dos rios Labe (Elba) e Ploučnice.” (Fonte: Wikipedia).

Castelo de 1305, principal atração turística de Decin.

Castelo de 1305, principal atração turística de Decin.

Praça en Decin.

Praça en Decin.

Mas, segundo o prof. Günter Weimer, em um artigo de 2003, Hrubý teria nascido mais exatamente de Kamnitz, ou Česká Kamenice, uma cidadezinha próxima,  localizada dentro do distrito de Děčín, que já existia em 1283. Em 1843 havia 451 casas, com 3.215 habitantes, e em 2005 tinha apenas um pouco mais de 5 mil habitantes, nunca tendo passado de 7 mil em sua historia. Já Děčín sempre foi maior e tinha em 2007 mais de 50 mil habitantes.

Česká Kamenice, cidade onde nasceu Hruby

Praça central de Česká Kamenice, cidade onde nasceu Hruby em 1875.

Veja um breve video sobre Česká Kamenice, com a paisagem que Hrubý deveu conhecer no final do séc. XIX.

Formação

Sabemos pouco sobre os primeiros anos de Hrubý. Em 1905, com 30 anos, estava já em Praga, onde recebeu o título de Baumeister, na Universidade Alemã de Praga. Este título numa tradução literal seria “mestre de obras”, mas se refere mais propriamente ao responsável pelo projeto de construção, construtor civil ou arquiteto. Além de Hrubý, somente o arquiteto teuto-brasileiro Johann Grünewald (1832-1910), já falecido nessa época, ostentava esse título em Porto Alegre. Grünewald já tinha uma reputação anterior na construção de igrejas neogóticas e neoclássicas, que Hrubý continuará, como veremos.

A Universidade Alemã de Praga, a Karl-Ferdinands-Universität,  é uma importante instituição universitária checa. Entre 1895 e 1896, Rilke estudou literatura, historia da arte e filosofia ali. Kafka, em 1901, começou seus estudos de química, portanto, sendo praticamente colega de Hrubý, que se formou em 1905. Alguns anos depois de Hrubý deixar a universidade, Einstein, entre 1911 e 1912,  foi professor no Instituto de Física Teórica nesta instituição. Segundo o próprio Einstein, alguns aspectos importantes da sua Teoria da Relatividade foram descobertos em Praga. Isso da uma ideia do nível da formação de Hrubý como Baumeister. O fato de Hrubý cursar a Universidade Alemã de Praga e não a Universidade Checa de Praga, mostra que  sua formação foi realmente mais alemã, de acordo com seu local de nascimento, bem próximo à fronteira alemã. Ele certamente falava alemão e por isso devia ter tido muita facilidade de contato com os arquitetos, comerciantes e industriais alemães que trabalhavam em Porto Alegre nesta época.

Fábricas

Quando Hrubý chega a Porto Alegre, a cidade, no início do século XX, apresenta várias fábricas de indústrias importantes e seu primeiro trabalho é na construção dessas primeiras fábricas, normalmente edificações muito simples.

Não sabemos exatamente quando este arquiteto checo chegou a Porto Alegre, mas sua primeira obra foi a Companhia Fabril Porto Alegrense, projeto de 1913 (ele tinha então 38 anos), que ficava na R. Voluntários da Pátria, tradicional rua de comércio e indústrias, conduzidas principalmente por imigrantes de origem alemã. Em 1913 Porto Alegre contava com 172 fábricas. Em 1916 esta fábrica era altamente mecanizada, produzia principalmente meias e tinha o maior número de funcionários, com 450 operários, entre homens e mulheres.

Hrubý foi responsável pela construção de outras fábricas,  também de projeto bem simples. Walter Gerdau, filho de João Gerdau, encomendou em 1916 a Theo Wiederspanh, provavelmente o mais importante arquiteto trabalhando em Porto Alegre no início do séc. XX , o projeto de duas unidades para a sua indústria de móveis vergados (técnica aprendida do austríaco Thonet), a Fábrica de Móveis Gerdau, mas a construção propriamente dita da fábrica ficou a cargo de Hrubý. O projeto é extremamente simples, comparado a outros prédios indústrias da época, como a Cervejaria Bopp, também de Wiederspahn, que teria sido terminada em 1911 ou 1914.

Fábrica de Móveis Gerdau. Projeto de Wiederspahn, construção de Hruby

Fábrica de Móveis Gerdau. Projeto de Wiederspahn, construção de Hruby

Foi de Hrubý também a construção da fábrica de Victor Fischel, em 1916, igualmente localizada na R. Voluntários da Pátria, onde se localizava a maioria das fábricas na época. Era uma fábrica de sabão, sabonetes e perfumarias, e importava as matérias-primas, tais como essências, óleos etc., da Inglaterra, Alemanha e França. Produzia também bebidas refrigerantes sem álcool. Novamente o projeto era extremamente simples, como se pode ver pela foto abaixo.

Fabrica Fischel

Fábrica de sabonetes de Victor Fischel.

Finalmente, na R. Marquês do Pombal, esquina com a R. Doutor Timóteo, construiu o prédio da Companhia Souza Cruz, a primeira fábrica de cigarros em Porto Alegre,  em 1928  ano em que a Souza Cruz começa a produzir em Porto Alegre.

Segundo o arquiteto e historiador Günter Weimer, durante a Primeira Guerra Mundial, os arquitetos alemães foram incluídos em uma espécie de lista negra, sendo afastados de novos empreendimento. Hrubý, por ser checo, teve mais espaço para trabalhar e por isso venceu a concorrência para fazer as fundações dos armazéns franceses, comprados para o novo Cais de Porto Alegre, o Cais Mauá. (WEIMER, Günter. “Arquitetos e construtores no Rio Grande do Sul”. Santa Maria: Editora da UFSM, 2004, 204 pp.)

Foto antiga dos armazéns do Cais Mauá.

Foto antiga dos armazéns do Cais Mauá.

Foto recente dos armazéns e pórtico do Cais Mauá (by Ricardo André Frantz)

Foto recente dos armazéns e pórtico do Cais Mauá (Foto: Ricardo André Frantz)

Banco

Radicado em Porto Alegre, Hrubý também atuou no interior do estado. Em Pelotas projetou a antiga filial do Banco Nacional do Comércio,  de 1917, erguida sob a responsabilidade do seu Escritório de Engenharia e de Arquitetura. Hoje em dia é o Centro de Integração do Mercosul-Pelotas, um predio em estilo eclético com fachada decorada bem interessante.
Banco Nacional do Comércio | Foto: Carmem Farina

Banco Nacional do Comércio – Pelotas | Foto: Carmem Farina

Foi construído a partir de 1917 e inaugurado em 1919 com o objetivo de sediar o Banco Nacional do Comércio, o qual permaneceu nesta edificação até 1937. Após este período o prédio abrigou o Banco Sul-Americano até 1985 e o Banco Meridional até 1989. Durante a década de 80 foi utilizado como Gabinete do Vice-Prefeito de Pelotas e só depois transformado no Centro de Integração do Mercosul.

“Seus frontões triangulares, sejam os que dão para a Rua Andrade Neves, sejam os que dão para a Rua Lobo da Costa, apresentam ornatos realizados em massa de estuque, representando rocalhas, folhas e zarcílhos de acanto, compoteiras e cartelas que divulgam cabeças estilizadas de leões. Estas remetem tanto ao poder econômico das casas bancárias, quanto à segurança dos negócios efetuados nas mesmas.

Os capitéis de inspiração jônica salientam figuras de deuses greco-romanos que se ligam à agricultura, ao comércio, à indústria, às artes e à sabedoria. A escolha destes ornamentos na edificação estudada não ocorreu de forma aleatória, uma vez que indica a função primeira do prédio. As riquezas econômicas pelotenses da segunda metade do século XIX e início do XX, influenciaram na escolha das representações dos deuses que compõem um expressivo conjunto decorativo.

Por se tratar de uma edificação onde as relações ligavam-se às transações financeiras, às questões éticas, de retidão, de desenvolvimento cultural e de progresso político e social fez-se necessária à presença da representação de Febo, ou Apolo, em sua fachada. Este, aparece entre as volutas portando uma tiara com a representação de âncora, aludindo à navegação, atividade de grande relevância econômica no município naquele momento.

A edificação do antigo Banco Nacional do Comércio de Pelotas integra-se ao conjunto arquitetônico pelotense correspondente ao estilo historicista eclético. As caixas murais deste edifício contam com a presença de elementos ornamentais modelados em estuque, onde é possível observar a presença de figuras diversas, sendo capazes de identificar, através de uma leitura iconográfica, inúmeras estilizações de figuras como folhas de acanto, volutas, rocalhas, ovários, grinaldas, dentículos e gavinhas. Outros ornatos como compoteiras, figuras antropomórficas, fitomórficas e zoomórficas contribuem para a beleza da composição.

Seu tipo arquitetônico foi inspirado no Banco da Inglaterra, apropriado à atividade bancária. Possui dois pavimentos e foi construído em lote de esquina, com acesso principal hierarquizado e localizado junto ao encontro das duas fachadas principais. De Estilo Eclético, adicionando várias tendências, apresenta capitéis alegóricos com figuras da mitologia greco-romana: Hermes, Apolo, Minerva, Ceres e cabeças de leões na decoração externa, mostrando a influência do Positivismo – filosofia que embasou a Velha República.

Por fim, os capitéis enumerados representam a agricultura, o comércio, a indústria, as artes e a sabedoria e, estão ligados às riquezas cultivadas nos campos pelotenses e aos empreendimentos econômicos realizados pelos estabelecimentos da zona urbana de Pelotas, cujos lucros eram depositados na casa bancária. Também estavam associados aos “elementos do futuro”, pregados pela ideologia positivista.
Fonte: BANCO NACIONAL DO COMÉRCIO: UMA ANÁLISE ICONOGRÁFICA E ICONOLÓGICA DE SEUS CAPITÉIS

Banco Nacional do Comércio - Pelotas

Igrejas

Mas, sem dúvida, a área em que mais Hrubý se destacou até o fim da vida foi a construção de importantes igrejas católicas em Porto Alegre, além de instituições católicas.

Projetou em 1914 o Colégio Bom Conselho, na Rua Ramiro Barcelos, n.º 996, instituição de ensino católica fundada em 1905.

Vista área do Colégio Bom Conselho nos anos 50.

À direita,  Colégio Bom Conselho, nos anos 50.

Colégio Bom Conselho,

Colégio Bom Conselho, anos 60, talvez.

A Igreja Sagrada Família, na Rua José do Patrocínio, n.º 954, na Cidade Baixa, teria sido de 1914 também e portanto é sua primeira igreja em Porto Alegre.

Igreja Sagrada Família (Cidade Baixa) Foto:  Igreja Sagrada Família

Igreja Sagrada Família (Cidade Baixa)  | Foto: davikr

Igreja Sagrada Família (interior) | Foto Nelson Neto

Igreja Sagrada Família (interior) | Foto Nelson Neto

Em 1916 Hrubý trabalhou em duas igrejas.
Igreja Nossa Senhora da Piedade, em estilo neocolonial, na rua R. Paraguai, 99, esquina com a R. Cabral, Bairro Rio Branco (ver localização).
A igreja parece ter sido concluída em 1919.

Igreja Nossa Senhora da Piedade | Foto: Dirceu

Igreja Nossa Senhora da Piedade | Foto: Dirceu

Cerimônia de entrega em 2008 da Igreja Nossa Senhora da Piedade, totalmente reformada

Cerimônia de entrega em 2008 da reforma da Igreja Nossa Senhora da Piedade.

Também em 1916 teve início a construção de uma das mais bonitas igrejas de Porto Alegre, a famosa  Igreja Nossa Senhora da Glória, localizada na Avenida Oscar Pereira, e que deu nome a todo o bairro e ao morro próximo, o Morro da Glória, que usualmente é chamado Morro da Polícia, ou Morro da Embratel.

A igreja tem muito destaque na paisagem, porque se encontra junto ao Largo Padre João Germano Rambo, mais elevada em relação a Av. Oscar Pereira.
greja Nossa Senhora da Glória | Foto: Omar Junior

Igreja Nossa Senhora da Glória | Foto: Omar Junior

Em 1917 Hrubý construiu a Igreja São Pedro, na Avenida Cristóvão Colombo, n.º 1629. A mais imponente edificação neogótica em Porto Alegre.

Igreja São Pedro | Foto: VanusaVasques

Igreja São Pedro | Foto: VanusaVasques

Igreja São Pedro, anos 1950-1960 | Foto Canazaro

Igreja São Pedro, anos 1950-1960 | Foto Canazaro

Igreja São Pedro | Foto: Jorge Sherer

Igreja São Pedro, 2010 | Foto: Jorge Sherer

Transcrevo a informação da Wikipedia sobre essa igreja de Hrubý:

Em 1917 a pequena capela original passou a ser Matriz do Curato de São Pedro, mas ainda era apenas um oratório de 6m de largura por 8m de comprido, com um anexo que servia como sacristia. Então a comunidade aprovou o projeto de um templo maior, de autoria de Josef Hrubý, e foram iniciadas as obras da grande igreja atual sob supervisão do mestre-de-obras Franz Rhoden. Em 4 de abril de 1919 foi celebrada a primeira missa na nave do novo templo, ainda inacabado, e em 29 de junho do mesmo ano o curato foi elevado a paróquia. Somente em 1922 o revestimento interno do prédio foi concluído pela empresa de João Vicente Friedrichs, e a parte externa, incluindo as torres, foi terminada em 1930 por Vitorino Zani. As pinturas internas só foram iniciadas em 1944, obra dos irmãos Curci.

É um edifício em estilo neogótico, imponente mas com ornamentação sóbria. Está construído sobre um pequeno pódio, e a entrada se dá através de uma escadaria. O frontispício com três séries de colunas sustentando arcos ogivais com decoração de flores e arabescos simples emoldura o vão de entrada, também em arco, delineado por florões repetidos. Sobre a porta em madeira entalhada existe um tímpano ocluso por um belo vitral, com representação de uma igreja erguida sobre uma ilha batida por ondas, com a inscrição Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja (foto) Os vitrais foram feitos por Albert Gottfrid Veit, Leopod Höpf, Joseph Veigel, Albert Joseph Georg Veit, Hans Veit e Albert Höpf (todos filhos, genros e neto), imigrantes alemães de 1913, obra da conhecida empresa Veit & Filho, de Porto Alegre, que ornamentou diversos outros templos no Rio Grande do Sul (vitrais na Igreja São Pedro).

Altar lateral e parte da capela-mor (2007) | Foto: Ricardo André Frantz

Altar lateral e parte da capela-mor (2007) | Foto: Ricardo André Frantz

Arrematando o frontispício, um triângulo com delgados pináculos nos vértices. Acima e um tanto atrás se eleva outro arco ogival, já mais rico de espinhas e florões, terminando em pináculo, com um grande óculo ovalado com uma rosácea redonda de oito lobos em seu interior. Acima do conjunto um frontão com empenas retas e espinhas simples, terminando em uma cruz. (FONTE: WIKIPEDIA)

Segundo Lucas Volpatto, aproximadamente após os anos 70, muitas igrejas perderam algumas características originais, no caso da Igreja São Pedro houve também alterações, os altares laterais, por exemplo, são novos.

Finalmente, Hrubý teve uma decisiva participação na construção da Catedral Metropolitana de Porto Alegre. No início do  século XX foi realizado um concurso para escolher o projeto da futura catedral de Porto Alegre, já que a Igreja da Matriz, uma bela igreja colonial, era considerada já pequena para a cidade, no início do século. Infelizmente se decidiu erguer a futura catedral no mesmo local da antiga igreja, a área de mais prestígio na cidade, em frente a Praça da Matriz, onde se localizam os poderes da República.

O vencedor do concurso foi o arquiteto espanhol Jesús Corona, pai do famoso arquiteto Fernando Corona. No entanto, depois de dois anos trabalhando no projeto, se desentendeu com o bispo e foi despedido, sendo escolhido um projeto de um arquiteto em Roma para a nova catedral, Giovanni Battista Giovenale. A pedra fundamental do novo templo foi lançada a 7 de agosto de 1921, sendo a cripta inaugurada em 20 de março de 1929, para onde foram transferidos os serviços religiosos, possibilitando a demolição final da velha construção e a continuidade das novas obras. Somente cerca de vinte anos depois é que as celebrações puderam deixar a cripta e serem realizadas na nave da catedral.

Giovenale, no entanto, nunca veio a Porto Alegre, apenas enviou o projeto da futura catedral por correio. Era necessário, portanto, que um profissional aqui em Porto Alegre fosse o responsável por erguer a catedral a partir do projeto do italiano e foi escolhido Josef Hrubý para esta tarefa, tendo deixado as obras da Igreja de São Pedro sob supervisão do mestre-de-obras Franz Rhoden, para se dedicar à catedral, e se dedicou a ela até o final de sua vida, quando faleceu em data desconhecida.

Günter Weimer afirma o trabalho de Giovenale se limitou a uma revisão sumária, usando largamente o projeto apresentado por Wiederspahn, e entregando a maior parte do trabalho técnico para o checo Josef Hrubý, mas que Hrubý teria também desenvolvido o projeto. É uma questão aberta exatamente o quanto Hrubý pode ter contribuído para o projeto da nossa catedral, além de ter sido o responsável por sua construção.

Catedral Metropolitana de Porto Alegre | Foto: Elio Abe

Catedral Metropolitana de Porto Alegre | Foto: Elio Abe

Anúncios

8 ideias sobre “Josef Hrubý: um arquiteto checo em Porto Alegre

  1. Pingback: Pracinha Florida, uma história de convívio no bairro Floresta | UrbsNova | Agência de Inovação Social

  2. Pingback: Passeio de bicicleta pelo Distrito Criativo | Distrito C | Distrito Criativo de Porto Alegre

  3. Pingback: Lopo Gonçalves, uma rua humana … | UrbsNova | Agência de Inovação Social

  4. Briane Bicca

    Surpreendentes e esclarecedoras essas informações sobre o patrimônio de Porto Alegre e sobre a obra de Josef Hrubý..
    Congratulações à Urbs Nova pelo serviço prestado ao conhecimento da nossa cidade!
    Briane Bicca

    Resposta
  5. Pingback: Fotos SESC Turismo no Distrito C (07 de jul de 2015) | UrbsNova | Agência de Inovação Social

  6. Pingback: Fotos SESC Turismo no Distrito C (27 de julho de 2015) | UrbsNova | Agência de Inovação Social

  7. Pingback: Fotos SESC Turismo no Distrito C (04 de agosto de 2015) | UrbsNova | Agência de Design Social

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s